Estrutura Acionista / Participações Qualificadas

Nos termos do disposto nos artigos 447º do CSC e 16º do CVM e tendo por referência as comunicações efetuadas aos CTT, a estrutura das participações qualificadas nos CTT é a seguinte:

Atualização: 05 junho 2017

Ações Capital Social
Gestmin, SGPS, S.A.(1) 15.357.404 10,24%
Allianz Global Investors GmbH (2) 7.552.637 5,04%
BNP Paribas Investment Partners, S.A. (3) 7.274.095 4,85%
Norges Bank 3.333.792 2,22%
F&C Asset Management plc (4) 3.124.801 2,08%
Wilmington Capital, S.L.(5) 3.020.368 2,01%
Restantes acionistas 110.336.903 73,56%
TOTAL 150.000.000 100,00%
(1) Esta participação é imputável a Manuel Carlos de Mello Champalimaud, sendo constituída por uma componente de 0,19% detida diretamente e por uma componente de 10,05% detida indiretamente através de Gestmin, SGPS, S.A., empresa controlada por Manuel Carlos de Mello Champalimaud.
(2) Anteriormente, Allianz Global Investors Europe GmbH.
(3) BNP Paribas Investment Partners S.A. detém 4,85% com a seguinte distribuição: BNP Paribas Asset Management - 1,86% diretamente; BNP Paribas Investment Partners Belgium SA - 1,09% diretamente; BNP Paribas Investment Partners Luxembourg - 1,90% indiretamente.
(4) Participação imputável à F&C Asset Management plc enquanto entidade com a qual a F&C Management Limited, a F&C Investment Business Limited e a F&C Managers Limited se encontram em relação de domínio. A F&C Asset Management plc encontra-se sob o domínio da BMO Global Asset Management (Europe) Limited que, por sua vez, se encontra sob o domínio do Banco de Montreal.
(5) Participação imputável à Indumenta Pueri, S.L..

Nota: Na sequência do registo comercial, em 24 de agosto de 2015, dos atos relativos à criação do Banco CTT, S.A., subsidiária dos CTT, informa-se que os investidores que pretendam deter participação qualificada nos CTT e indiretamente no Banco CTT, S.A. (i.e., participação direta ou indireta igual ou superior a 10% do capital social ou dos direitos de voto ou que, por qualquer motivo, possibilite exercer influência significativa na gestão) devem comunicar previamente ao Banco de Portugal o seu projeto para efeitos da respetiva não oposição (cf. art. 102º do RGICSF - Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras); igualmente a partir daquela data, os atos ou factos que resultem na aquisição de uma participação que atinja, pelo menos, 5% do capital ou dos direitos de voto dos CTT e indiretamente do Banco CTT, S.A. devem ser comunicados ao Banco de Portugal, no prazo de 15 dias a contar da respetiva verificação (cf. art. 104º do RGICSF).

O capital social dos CTT é de 75 000 000 Euros e encontra-se integralmente subscrito e realizado, sendo representado por 150 000 000 de ações, com valor nominal de cinquenta cêntimos de euro cada uma. As ações são nominativas e escriturais e não existem categorias diferentes de ações. Desde 5 de dezembro de 2013, no âmbito do processo de privatização dos CTT, encontram-se admitidas à negociação no mercado regulamentado da Euronext Lisbon a totalidade das ações representativas do capital da Sociedade.