Greve nos CTT

7 de junho, 2013

Serviço Postal continua disponível em todo o país.

A taxa adesão à greve geral nos CTT convocada para hoje, 7 de junho de 2013, posicionou-se nos 22,7%, em dados definitivos de hoje e considerando já as várias áreas operacionais da empresa. Trata-se de uma das mais baixas taxas de sempre nos Correios.

Todas as lojas dos Correios abriram ao público, sem exceções. No total, cerca de 2500 lojas, incluindo as 624 Estações de Correio, estão hoje a funcionar com normalidade.

Esta baixa adesão confirma as previsões da empresa, ontem publicitadas, e está em linha com a experiência de greves anteriores. A greve foi convocada como elemento de protesto contra a privatização, o que é um motivo que excede as relações de trabalho e a própria empresa.

A adesão à greve foi praticamente inexistente nos serviços centrais dos CTT e pouco percetível na rede de lojas, tendo tido uma adesão entre os carteiros incapaz de interromper globalmente a distribuição. A adesão à greve foi mais significativa nos Centros de Produção e Logística de Lisboa (Cabo Ruivo), Coimbra (Taveiro) e Porto (Maia).

Os piquetes de greve ontem organizados nos Centros de Produção e Logística não produziram qualquer efeito no fluxo normal de correspondência do país, uma vez que à hora em que foram instalados já todo o correio havia sido expedido destes centros para os 322 Centros de Distribuição Postal e Centros de Apoio à Distribuição de todo o país.

Os CTT congratulam-se por esta greve ter decorrido sem incidentes em todo o país, excetuando-se um episódio entre grevistas ocorrido no Centro de Produção e Logística de Taveiro, em Coimbra, nesta madrugada, que motivou a intervenção das forças policiais.