CTT aumentam rendimentos operacionais no segundo trimestre

31 de julho, 2018

Os CTT – Correios de Portugal registaram um aumento de 0,9% nos rendimentos operacionais no primeiro semestre deste ano, com segundo trimestre a consolidar recuperação (+1,7%), fruto do crescimento da área de Expresso & Encomendas, onde a Empresa é líder de mercado, e do Banco CTT e do comportamento dos Rendimentos de Correio.

Os Rendimentos de Correio inverteram a tendência dos últimos trimestres e cresceram 1,4% no segundo trimestre de 2018, contribuindo positivamente para a evolução de Rendimentos consolidados do primeiro semestre (+0,9%). A importante queda do tráfego de correio endereçado foi contrabalançada pela evolução positiva do mix de produtos (crescimento do tráfego do correio internacional de chegada) e pelo aumento do preço médio.

Já os Rendimentos de Expresso & Encomendas cresceram 17,7% no primeiro semestre (+10,7% sem o efeito de incorporação da Transporta).

Para Francisco de Lacerda, Presidente-Executivo dos CTT, “os resultados do segundo trimestre são fruto da aposta dos CTT na diversificação do negócio, através de importantes investimentos e iniciativas no Banco CTT, no Expresso & Encomendas, que contribuíram para o crescimento dos rendimentos operacionais, e no Plano de Transformação Operacional, que está a superar as projeções iniciais, tendo-se cumprido na primeira metade do ano os objetivos propostos para o ano completo de 2018.”

O Banco CTT registou uma sólida performance operacional atingindo mais de 350 mil clientes, o que se traduz em cerca de 285 mil contas de depósitos à ordem, um crescimento superior a 93% face ao período homólogo.  A receita do Banco CTT cresceu 23,3% no período em análise, conseguido através da sua presença em 212 lojas.

O Plano de Transformação Operacional arrancou no primeiro trimestre de 2018 e está a superar as projeções iniciais, tendo-se cumprido no primeiro semestre de 2018 os objetivos propostos para o final de 2018. Os gastos operacionais recorrentes continuam a ser positivamente impactados no Correio e Outros (-1,1% no primeiro semestre) acelerando a sua redução (de -0,5% no primeiro trimestre para -1,6% no segundo).

O EBITDA recorrente fechou em 46,1 M€ (-12,4%), tendo no segundo trimestre melhorado a performance operacional (-5,0% no segundo trimestre vs -18,9% no primeiro).