200 anos do nascimento de D. Maria II em selos e livros dos CTT

25 de fevereiro, 2019

Os CTT lançam hoje, 25 de fevereiro, um conjunto de peças filatélicas que celebram os 200 anos do nascimento de D. Maria II. Corajosa, forte, determinada, totalmente ciosa das suas prerrogativas régias, por muitos acusada de altiva e arrogante, D. Maria II tem o seu nome ligado ao triunfo do Liberalismo e, ao mesmo tempo, às convulsões políticas que Portugal atravessou na primeira metade do século XIX.

No mesmo dia, os CTT lançam um livro sobre a vida de “D. Maria - II Uma mulher entre a família e a política”, da autoria de Paulo Drumond Braga. Um livro que traça o percurso histórico e biográfico de D. Maria II, desde a sua infância brasileira, ao longo caminho para a coroa de Portugal, à sua vida como mãe e esposa, às suas dificuldades enquanto rainha, e à sua morte com 34 anos durante o parto do seu 11º filho. A edição é bilingue, com tradução de Teresa Figueira, e contém os selos e o bloco da emissão. O design do livro é da responsabilidade de Fernando Pendão da Pendão & Prior, Lda., com uma tiragem limitada a 4000 exemplares numerados e um valor de 39€.

Os selos mostram o cortejo de batismo da princesa real D. Maria no Rio de Janeiro; D. Maria II a ler a Carta Constitucional; o Palácio de S. Cristóvão, onde D. Maria II nasceu; dois retratos de D. Maria II e a vista do teatro nacional D. Maria II na época da sua inauguração. Por sua vez, o bloco e o seu selo reproduzem uma imagem do Rio de Janeiro, cidade onde D. Maria II nasceu; a Coroa do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, coroação de D. João VI, e um retrato de D. Maria II.

D. Maria II foi, sucessivamente, princesa da Beira (1819-1822), princesa imperial do Brasil (1822-1825), princesa do Grão-Pará (1825-1826) e rainha de Portugal (1826-1853). Nasceu no Rio de Janeiro e em 1826, aos sete anos, tornou-se rainha de Portugal, país que não conhecia e onde só desembarcaria oito anos depois, após uma longa e penosa luta pelo trono. D. Maria II, esteve no epicentro de cerca de duas décadas de agitação política, que conheceram três textos constitucionais, várias revoluções e golpes de estado, uns bem-sucedidos e outros fracassados, e ainda uma nova guerra civil. Em simultâneo, conseguiu criar um lar feliz. Morreu aos 34 anos no nascimento do seu 11º filho que também morreu. Foi no ano de 1853 e Portugal não voltou a ter uma mulher na chefia do Estado.

A emissão filatélica é composta por quatro selos e um bloco filatélico com um selo. Todos os selos têm uma tiragem de 100 000 exemplares cada e os valores faciais de, 0,53€, 0,65€, 0,86€ e 0,91€. O bloco filatélico com um selo tem o valor de 2,00€ e uma tiragem de 45 000 exemplares. O design dos selos esteve a cargo do Atelier Pendão & Prior, os selos têm uma dimensão de 40 X 30,6 mm e o bloco 125 X 95 mm. As obliterações de primeiro dia serão feitas nas lojas Restauradores em Lisboa, Munícipio no Porto, Zarco no Funchal, Antero de Quental em Ponta Delgada.